01 . Novembro

X

Sedes lança Salvador Capital Criativa na Península de Itapagipe

Com a presença da imprensa, a Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Emprego (Sedes) lança na manhã nesta terça (01), na sede de cursos da Fábrica Cultural, no Dendezeiros, o programa Salvador Capital Criativa, que oferecerá capacitações empresariais e tecnológicas (entre cursos, oficinas, palestras e consultorias) para empreendedores que atuam na área de economia criativa.

 

O programa, que faz parte do protocolo de intenções firmado no ano passado entre a Sedes e o Sebrae-Ba, visa apoiar e desenvolver negócios criativos, de impacto social e de sustentabilidade na Península de Itapagipe e na região do Centro Histórico de Salvador.

 

O lançamento do programa marca o início das ações da política municipal de economia criativa, que terá o decreto lançado pela prefeitura na próxima semana. É isso o que explica a subsecretária da Sedes Adriana Campelo. "A partir desse decreto, uma série de ações serão implementadas, como treinamento, acesso a crédito, qualificação, eventos, entre outras, reconhecendo as identidades da cidade e os talentos existentes em Salvador, tendo como principal empenho para esses empreendedores o capital intelectual".

 

As capacitações serão ministradas por professores e consultores do Sebrae-Ba e de acordo com a Coordenadora de Articulação para Investimentos e Economia Criativa, Martha Schoeler, as primeiras aulas serão realizadas na Península de Itapagipe. "Começaremos no próximo dia 16 com uma oficina sobre como construir uma loja virtual. Ainda em novembro teremos mais uma palestra e duas consultorias aqui na Fábrica. Somente depois disso, em dezembro, é que as atividades serão iniciadas na região do Centro Histórico", enfatiza.

 

A expectativa da Sedes é de que, até maio de 2017, cerca de  setecentas pessoas sejam capacitadas. Serão contempladas soluções multidisciplinares em áreas como Artesanato, Moda, Design e Cultura, arquitetura, cinema, dentre outros setores, ampliando as possibilidades de acesso a mercados e a sustentabilidade, com base na identidade regional, considerando aspectos de qualidade estética, cultural e mercadológica dos produtos e/ou serviços a serem desenvolvidos. "Precisamos valorizar a economia criativa, como já acontece em países desenvolvidos como Inglaterra, Dinamarca, Nova Zelândia, e acabar com essa ideia de que é coisa de país subdesenvolvido usar a criatividade para crescer. Salvador tem uma capacidade muito grande nessa área, o que pode acabar ajudando na criação de empregos, no desenvolvimento humano e, conseqüentemente, da cidade". 

 

Para se inscrever no programa, os empreendedores que atuam no ramo da economia criativa (pessoa física ou jurídica) devem comparecer à sede da Fábrica Cultural (Rua Arthur Bernardes, nº 63 - Dendezeiros) com CPF ou CNPJ e em caso de empresa, também uma cópia do contrato social. O telefone de contato é 3316-1644 (Iasnaia).

Economia Criativa, Empreendedorismo,