Logo Prefeitura de Salvador

Casa das Sete Mortes

Cercada por muitas lendas, a Casa das Sete Mortes, construída no século XVII e  localizada na rua do Passo, n° 24, no Centro Histórico, de Salvador foi tombada em 1943, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Atualmente funciona nela a Escola Técnica da Casa Pia.

A casa possui dois pavimentos e um sótão. Sua estrutura externa é feita em alvenaria. Na fachada principal, com parede revestida de azulejos azuis portugueses, do século XIX, há três portas no primeiro pavimento e quatro janelas rasgadas com ornamentos estilo D. Maria I e balcões, no segundo pavimento. Possui um pátio interno revestido com azulejos do século XVII e piso de mármore. Na casa de banho há uma banheira incrustada de conchas e o vestíbulo é revestido com azulejos ingleses, do século XIX.

Em 1756, foi cometido um homicídio a facadas na residência, matando quatro pessoas: o padre Manuel de Almeida, dois escravos e um homem trabalhador liberto. O culpado não foi descoberto. Esta fatalidade está registrada no Arquivo Público da Bahia.

Interior da Casa das Sete Mortes, Centro Histórico do Pelourinho, Salvador

Rua do Taboão

Rua do Taboão

A rua do Taboão ou, como alguns preferem, Ladeira do Taboão, faz a interligação do Comércio com o Pelourinho, a Baixa dos Sapateiros e o Carmo. Os casarões antigos, que chegam a até cinco andares, abrigam nos cômodos superiores principalmente os depósitos das lojas de tecidos, plástico e decoração entre outras, que funcionam no térreo.

A história do nome Taboão é cheia de controvérsias. Há quem diga que resulta da quantidade de depósitos de tábua, enquanto outros afirmam que se colocava madeira para exercer o papel de ponte e proteção nos dias de chuva.

Durante muito tempo, a rua foi uma espécie de caminho alternativo para quem estava no Comércio e desejava chegar ao Pelourinho. Atualmente, após 60 anos fechado, o Elevador do Taboão facilita o acesso.

MUITO Perfil da rua do Taboão, no Centro Histórico de Salvador. A ideia é fotografar os personagens interessantes encontrados, as atividades realizadas no cotidiano e acontecimentos espontâneos. Foto: Luciano Carcará / Ag. A Tarde Data: 30/05/18
REVISTA MUITO – PERFIL DO TABOÃO Na foto, Valdemir, dono da loja Casa do Estofador, mostra os produtos. Foto: Margarida Neide / Ag. A Tarde Data: 07/06/2018

Mercado São Miguel

Composto por 40 boxes, 28 bancadas de hortifruti, e 06 restaurantes, além de sanitários masculino e feminino e para pessoas com problemas de locomoção e estacionamento com vagas para até 30 veículos, o mercado está situado no coração da Baixa dos Sapateiros desde 1965.

Endereço: Av. José Joaquim Seabra, 151 – Nazaré, Salvador

Funcionamento: segunda a sábado, das 10h às 16h.

Passeios de Canoa pela Baía de Todos os Santos – Praia da Preguiça

Passeios de Canoa pela Baía de Todos os Santos – Praia da Preguiça

O visitante pode contemplar a vista da Cidade Alta, do centro Histórico a partir da Baía de Todos os Santos. São oferecidos passeios em canoa havaiana para o Forte São Marcelo, pôr do Sol, Lua Cheia, celebrações e passeios corporativos.

A Sol Va’a Clube de Canoa Havaiana (@sol.vaa) é um dos clubes que oferece passeios turísticos.

Saída e chegada na Praia da Preguiça, ao lado do restaurante Amado.

Doca 1 – Polo de Economia Criativa

Doca 1 – Polo de Economia Criativa, surgiu para concentrar e fomentar a cadeia produtiva criativa local, incentivar novos talentos, promover a qualificação de mão de obra criativa da cidade e aproximar empresas e trabalhadores envolvidos com o capital intelectual, criativo e inovador.

No espaço de 2.468 m², podem ser abrigadas até 40 empresas voltadas ao desenvolvimento de ações e projetos em diversos segmentos da Economia Criativa, incluindo a Cultura – dança, música, fotografia, gastronomia, artesanato e artes plásticas; Design – arquitetura, moda e publicidade; Conteúdo – mídias digitais, e-games, editorial e audiovisual; e Tecnologia -desenvolvimento de pesquisa, computação gráfica, engenharia de áudio e engenharia de transmissão.

Av. da França, S/N – Comércio, Salvador – BA, 40010-000 (ao lado do Terminal Turístico Náutico de Salvador)

Palacete Tira-Chapéu

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC-BA), o Palacete Tira-Chapéu é um dos poucos remanescentes e um dos mais importantes do estilo eclético em Salvador.

O projeto de restauro é desenvolvido pela Elysium Sociedade Cultural e, mais do que a recuperação da edificação em si, é também a reconstituição de sua relevância para a sociedade, cujo objetivo é, resguardando todos os potenciais artísticos e arquitetônicos remanescentes, assegurar que o edifício se mantenha em funcionamento como oferta de arte e cultura em Salvador.

Mesmo sem cocluir as obras de reatauro da edificação, o Palacete Tira-Chapéu abriu as portas para apresentar o andamento do minucioso restauro pelo qual está passando, com exposição “Rua Chile e o Palacete Tira-Chapéu – 120 anos de História”, no Salão Chile do Palacete.

A exposição tem entrada franca e estará aberta de segunda a sexta das 9h às 12h e das 14h às 17h, e aos sábados das 9h até às 12h, até 11 de agosto.
com entrada franca

Local: Palacete Tira-Chapéu, Esquina da Rua Chile com a Rua do Tira Chapéu, Centro Histórico

Museu de Arte Moderna da Bahia – MAM

O Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) está localizado no Complexo Solar do Unhão, um sítio histórico do século XVIII, às margens da Baía de Todos os Santos em Salvador, que abriga também o Cine MAM, o Café do MAM e o píer onde são realiados eventos e pessoas se reúnem para apreciar pôr do sol.

Seu acervo é constituído por pinturas, esculturas, fotografias e desenhos de artistas como Tarsila do Amaral, Portinari, Flávio de Carvalho, Di Cavalcanti, Rubem Valentim, Pancetti, Carybé, Mário Cravo e Sante Scaldaferri, entre outros.

O Solar do Unhão foi construído no séc. XVII, em sítio histórico, em terras pertencentes a Gabriel Soares que doadas por testamento aos Beneditinos no séc. XVI.No séc. XVII, 1690, onde residia o Desembargador Pedro de Unhão Castelo Branco.

No início do séc. XVIII, o Solar foi vendido a José Pires de Carvalho e Albuquerque, que estabeleceu morgado (propriedade que não pode ser vendida, é herdada pelo primogênito). Por volta de 1740, surgem as primeiras notí­cias sobre a construção da Capela do Solar. No mesmo século, a casa recebeu feições mais requintadas, tendo sido colocados o chafariz e os painéis de azulejo portugueses no passadiço que ainda hoje dá acesso ao pavimento nobre do Casarão. A Capela é reedificada e consagrada à Nossa Senhora da Conceição.

No final do mesmo século, a fazenda do Unhão passa a ser conhecida como Solar do Unhão. No início do séc. XIX, o Solar foi arrendado, iniciando a partir daí­ um processo crescente de degradação do conjunto, com a instalação sucessiva de fábricas, incluindo uma de rapé, que funcionou até 1926. Já ao final da década de 40, produziu derivados de cacau e manufaturas diversas, sediou oficinas e foi transformado em trapiche, depósitos de combustíveis e mais tarde, durante a 2ª Guerra Mundial, em quartel para os fuzileiros navais.

Em 1943, o Solar foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), sendo depois, no iní­cio da década de 60, adquirido e restaurado pelo Governo do Estado da Bahia, com projeto arquitetônico de Lina Bo Bardi, para instalar o Museu de Arte e Tradições Populares. A partir de 1963, passa a sediar o Museu de Arte Moderna da Bahia, que já vinha movimentando a cultura baiana desde a sua inauguração em 1960 no foyer do Teatro Castro Alves.

Funcionamento para visitação: terça a domingo, 13h às 18h – gratuito

Café, cinema e pátios: das 12h às 20h

Endereço: Av. Lafayete Coutinho, s/n – Comércio, Centro Histórico, Salvador – BA

Telefone: 71 3117-6132

Fundação Gregório de Mattos – FGM

A Fundação Gregório de Mattos – FGM é uma fundação cultural mantida pela prefeitura da cidade. Foi criada em 1986 e seu nome homenageia o poeta do Brasil Colonial Gregório de Mattos.

A FGM está vinculada à Secretaria de Cultura e Turismo. É responsável por formular e executar a política cultural do Município do Salvador e ainda, pela administração de espaços culturais soteropolitanos, como o Museu da Cidade, a Casa do Benin, o Arquivo Histórico Municipal e o Espaço Cultural da Barroquinha e é presidida pelo produtor e diretor teatral Fernando Guerreiro.

E-mail: fgm@salvador.ba.gov.br

Site: http://www.cultura.salvador.ba.gov.br\Horário de Funcionamento: Seg a Sex- 10h às 19h

Telefone: (71) 3202-7800

 

 

Palanquim

Arte, semijóias e artesanato no coração do Centro Histórico.

Endereço: Largo Cruzeiro de São Francisco, 15 – Centro Histórico – Salvador

Telefone: (71) 3599-5076

Teatro Miguel Santana

O Teatro Miguel Santana, desde o ano de 2014, é ocupado pela Fundação Balé Folclórico da Bahia, em sistema de comodato, numa ação do Governo do Estado, como forma de reconhecimento ao trabalho de promoção que a referida companhia de dança faz da cultura popular baiana em todo o mundo.

Desde então a Fundação BFB desenvolve diversos projetos, em especial as apresentações diárias de seus shows, atendendo, na sua maioria, o público de turistas que visitam nossa cidade, além de projetos sociais muito importantes, como o Balé Junior, que contempla mais de 300 crianças em situação de risco social e as oficinas de dança gratuitas abertas a toda comunidade.

Site https://www.balefolcloricodabahia.com.br

E-mail fundacaobfb@gmail.com   e w.botelho@terra.com.br

Horário de Funcionamento: Seg à sab (exceto terças), às 20h

Capacidade: 100 pessoas

Ingressos à venda na bilheteria diariamente a partir das 15 horas

Endereço: Rua Gregório de Matos, 49 – Pelourinho, Salvador – BA

Telefone (71) 3322-1962 

 

 

© 2022 Copyright: Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SEMIT)
Skip to content